Home » Bombeiros » Mudança em Estatuto da PM gera inquietação entre militares

Mudança em Estatuto da PM gera inquietação entre militares

Por: Cabo Abdi (vice-presidente da ACS/AL)

 

“É surreal imaginar uma vovó de 65 anos fardada e agindo dentro de uma viatura, descendo grota. O serviço de um militar é árduo e exige condicionamento físico. Uma mulher, principalmente, não tem condições físicas de cumprir o seu papel militar com este projeto”

Apelidado de “projeto da bengala”, esse Projeto de Lei vem causando grande preocupação à tropa. O projeto foi feito sem o apoio dos militares, das associações e sem uma análise do Comando da Polícia e do Corpo de Bombeiros Militar de Alagoas. Ele teve apenas a ideia do deputado Francisco Tenório (PMN) sem uma orientação técnica militar. O projeto visa aumentar a idade limite de ingresso na corporação militar, de 30 para 40 anos.

Com isso, aumenta o tempo de permanência na corporação, passando para 65 anos.
A Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros não conseguem visualizar um solado com 65 anos de idade nas ruas prendendo e socorrendo.

Uma mulher, principalmente, não tem condições físicas de cumprir o seu papel militar com este projeto. É surreal imaginar uma vovó de 65 anos fardada e agindo dentro de uma viatura, descendo grota.

O serviço de um militar é árduo e exige condicionamento físico.

Enquanto representante da ACS/AL, defendo o ingresso de policiais mais novos na corporação.  A ideia de ter mais policiais com idade elevada diminui a produtividade efetiva dos militares.

O aumento da idade é inversamente proporcional à produtividade, visto que com o aumento da idade cresce a procura por médico e remédios. Com isso teremos um número elevado de policiais e bombeiros baixados (afastados do serviço).

Com o aumento de permanência na corporação, vamos diminuir a renovação nas promoções, criando uma estagnação (aumentando a lei do rendimento proporcional decrescente), os militares, por não encontrar uma melhoria, passarão a se empenhar cada vez menos. Diante disso teremos um aumento na criminalidade.

O projeto não cumpre o principal objetivo do deputado Francisco Tenório, que é de diminuir o gasto com a previdência social dos militares. É preciso analisar a lei dos rendimentos proporcionais
decrescentes, pois a população não pode ser penalizada com um serviço de baixa qualidade. O Estado de Alagoas avançou no combate à criminalidade, não podemos retroceder.